Como ensinar as crianças a terem uma boa relação com exercícios?

Respeitar o tempo dos pequenos e dar exemplo são as melhores maneiras de fazê-los ter uma relação saudável com exercícios

Treino do seu jeito 4 min. de leitura
Como ensinar as crianças a terem uma boa relação com exercícios?

Quem convive com crianças sabe que elas são muito ativas: não cansam de brincar, correr pela casa, jogar bola e apostar corrida, entre diversas outras atividades. 

Toda essa energia é importante porque o ato de brincar possui um papel especial para as crianças. Se a primeira infância se ocupa de jogos que usam um objeto (bonecas ou carrinhos) e de movimentos mais naturais, conforme a criança vai ficando maior e mais próxima da idade escolar, os jogos passam a ser associativos e envolver regras mais complexas, em geral esportivas.

A partir desse momento, toda a energia que anima as crianças passa a ser regulada por formas de exercício físico que são prazerosas, envolvendo desafios intelectuais e frequentemente em grupo. 

Uma partida de futebol e uma corrida são exemplos de que não basta se exercitar, mas sim deve-se cumprir regras combinadas socialmente para que a atividade cumpra o objetivo de socialização.

Dessa forma, para que isso ocorra e a atividade física passe a fazer parte da vida do indivíduo adulto, é importante que a relação com os exercícios se dê de forma saudável ainda na infância. Saiba como os pais e responsáveis podem estimular isso nos pequenos.

Respeito ao tempo

criança treinando em frente ao computador
As lutas são uma ótima maneira de conciliar gasto energético, desenvolvimento corporal e controle emocional. (Fonte: Shutterstock)

A brincadeira não é externa ao desenvolvimento, ao invés disso, ela é que permite ele acontecer. Por isso, é importante garantir que a criança seja estimulada a experimentar o próprio corpo com exercícios físicos próprios da idade e que, se possível, tenha a companhia de colegas de faixa etária semelhante.

Até os 6 anos de idade, os movimentos devem ser naturais. Por isso, até essa etapa, parques e playgrounds são locais ideais de brincadeira. Bolas e bicicletas de rodinha são bons aliados para desenvolver o senso de equilíbrio e as funções motoras.

A partir dessa idade, até o início da pré-adolescência, jogos com outras crianças são importantes. Brincadeiras na rua são típicas dessa fase, mas, se o ambiente não permitir, optar por escolinhas de futebol ou aulas de alguma luta são boas opções. Essas atividades permitem o desenvolvimento corporal junto a um controle sobre sensações que serão novas.

Daí até a chegada à idade adulta, o foco estará em desenvolver a força, o equilíbrio e a flexibilidade. Além das atividades já citadas, a dança é uma ótima opção. É possível iniciar atividades na academia também, mas com caráter aeróbico. O foco em ganho de massa muscular deve ser buscado apenas em idade adulta.

Exemplo

família se preparando para correr
Fazer do exercício físico um programa familiar é a melhor maneira de ensinar as crianças a terem nessas atividades uma fonte de prazer. (Fonte: Shutterstock)

Mas, na hora de ensinar as crianças a terem uma boa relação com os exercícios físicos, a máxima de que “um exemplo vale mais que mil palavras” é verdadeira. Além de permitir que a criança tenha espaço para se desenvolver, é importante que ela veja os pais e outros adultos se exercitando.

Mais que isso, é importante que ela aprenda, observando suas referências adultas, que as atividades físicas não são um fardo ou uma punição, mas sim uma fonte de prazer e promoção de saúde. Inclusive, os exercícios físicos podem ser uma forma prazerosa, barata e saudável de criar vínculos e passar tempo com as crianças.

Além disso, ensinar as crianças a terem uma relação prazerosa com as atividades físicas desde cedo pode trazer benefícios que vão além dos motivos já elencados. Um dos principais desafios da atualidade é convencer as pessoas a trocar o carro pela mobilidade ativa (a pé ou de bicicleta, por exemplo), o que será mais fácil se a atividade estiver relacionada a uma atividade prazerosa.

Gostou do texto? Então compartilhe com quem quer deixar a vida dos baixinhos mais ativa!