Tipos de fome: aprenda a diferenciá-los

Nem toda vontade de comer acontece pelos mesmos motivos; conheça os 4 tipos de fome e saiba como lidar com cada um deles

Motivacional 5 min. de leitura
Tipos de fome: aprenda a diferenciá-los

Nós sentimos fome quando nosso corpo precisa de nutrientes, certo? Nem sempre! Isso porque médicos e nutricionistas reconhecem que existem outros tipos de fome, além da fisiológica — aquela que é estimulada por necessidades do organismo. 

Muitos fatores podem desencadear a vontade de ingerir alimentos e é interessante conhecê-los. Afinal, conhecendo os tipos de fome, você pode lidar com cada um deles da forma que é mais interessante para seus objetivos.

1. Fome fisiológica

Desencadeada por: necessidade de nutrientes.

Como reconhecer: vazio no estômago, fraqueza, entre outros sintomas.

cachorro com fome
A fome fisiológica é acompanhada de sintomas físicos. (Fonte: Tenor)

Dos quatro tipos de fome, esse é o mais literal, que ocorre quando o corpo realmente precisa de nutrientes para continuar funcionando. Ela surge quando já se passou algum tempo da última refeição, e o corpo começa a dar sinais de fraqueza. 

Esses sinais vão crescendo aos poucos, junto do vazio no estômago, até que a barriga começa a “roncar”. Quem nunca passou por isso? Caso a fome não seja saciada, podem surgir outros sintomas, como tontura.

É interessante observar que a fome fisiológica não ocorre nos mesmos horários e com a mesma frequência para todo mundo.

2. Fome emocional

Desencadeada por: fortes emoções, como ansiedade ou alegria extrema.

Como reconhecer: ausência de sinais físicos, o alimento parece uma compensação.

mulher comendo salgadinho
A fome emocional busca compensação através da comida. (Fonte: Tenor)

Essa é aquela vontade de comer alimentos doces ou gordurosos para lidar com algum sentimento. Várias emoções podem estimular a fome emocional, como a tristeza ou a ansiedade. Muitas pessoas precisam se controlar para não beliscar doces em meio ao estresse do dia a dia, por exemplo. 

Porém, essa fome também pode ocorrer com emoções positivas, quando o alimento aparece como uma comemoração ou merecimento. Além disso, mulheres podem ser bastante afetadas por isso durante oscilações hormonais. 

Se você quer controlar a fome emocional, é interessante entender qual é o sentimento que está a desencadeando e buscar outras maneiras de lidar com a situação. Procurar outras distrações, como jogos ou conversas com colegas, pode ajudar no controle da fome causada por estresse, por exemplo. 

3. Fome social ou de hábito

Desencadeada por: ocasiões associadas à comida, como festas e encontros.

Como reconhecer: surge junto a outros hábitos cotidianos.

homem piscando para a câmera
Muitas vezes, comemos só porque estamos em uma situação social ligada à comida. (Fonte: Tenor)

Muitos hábitos sociais estão relacionados à comida: festas de aniversário, nas quais há bolos e salgadinhos; happy hour, com petiscos e cerveja; cinema, onde geralmente se come pipoca; almoços de família; entre vários outros. Por isso, quando estamos em alguma situação como essa, nós sentimos vontade de comer — mesmo que o nosso organismo tenha sido saciado recentemente. 

Esse tipo de fome também pode estar relacionado a hábitos que mantemos sozinhos, como assistir a um seriado enquanto comemos chocolate, por exemplo. De qualquer forma, a fome está muito mais relacionada a outras situações do que às verdadeiras necessidades do organismo.

Reconhecer que não há necessidade fisiológica de nutrientes pode ser uma saída, caso você queira evitar esse tipo de fome. Também é possível escolher alimentos menos nocivos à saúde, se a vontade de comer for muito difícil de controlar nesses momentos.

4. Fome específica

Desencadeada por: gatilhos emocionais, associados a alimentos específicos.

Como reconhecer: apenas um tipo de alimento ou sabor é capaz de saciá-la.

gif animado
Aquela vontade que só um chocolate pode “matar” é o último dos quatro tipos de fome. (Fonte: Tenor)

Para fechar a lista dos quatro tipos de fome, existem também as vontades específicas, como o desejo de comer um chocolate no meio do dia ou aquela saudade incontrolável da macarronada de domingo que surge no meio da semana. 

Ela também pode estar associada à fome emocional, pois geralmente se remete aos nossos sabores preferidos e que trazem sensações boas, podendo ser engatilhada por estímulos diversos do dia a dia, como ouvir alguém falar sobre chocolate no escritório e sentir que precisa comer um. 

Assim como nos tipos de fome emocional e social, uma boa maneira de controlar as vontades é buscar entender de onde elas surgem e tentar convencer seu cérebro de que aquele alimento não é necessário para o organismo.

De maneira geral, os especialistas acreditam que não é necessário controlar os outros tipos de fome o tempo todo: eles se tornam prejudiciais quando fogem totalmente do nosso controle e atrapalham nossos objetivos. Nesses casos, pode ser interessante buscar ajuda profissional.

Conhece alguém que está com fome o tempo todo, mesmo depois de comer? Compartilhe essas dicas!