Sedentarismo: conheça os estágios, riscos e como combatê-lo

Raiz de problemas de saúde graves como diabetes, obesidade e envelhecimento precoce, o sedentarismo aumentou durante a quarentena

Motivacional 3 min. de leitura
Sedentarismo: conheça os estágios, riscos e como combatê-lo

O sedentarismo é um estilo de vida em que a pessoa passa a maior parte do tempo inativa ou na mesma posição e, mesmo que faça movimentos durante o dia, nenhum deles é a prática de exercícios físicos. 

Seus principais sintomas são cansaço e falta de disposição para fazer atividades simples, tendo como consequência a perda de massa muscular, dores nas articulações, entre outros. Seus riscos vão desde o acúmulo de gordura ao câncer, incluindo envelhecimento precoce, obesidade, doenças cardiovasculares e predisposição a diabetes tipo 2.

Autoridades médicas se preocupam com as consequências do isolamento social e do aumento do sedentarismo durante a pandemia do novo coronavírus. (Fonte: Pexels / Reprodução)
Autoridades médicas se preocupam com o aumento do sedentarismo durante a pandemia do novo coronavírus. (Fonte: Pexels/Reprodução)

Quarentena e uma nova crise

O mundo presencia uma nova crise surgindo — a da inatividade física. Em 2019, o IBGE publicou um levantamento que apontava que 40,3% dos brasileiros adultos são considerados sedentários. Durante a quarentena, as pessoas que praticavam atividades precisaram parar ou se adaptar, enquanto as que já não praticavam acumularam mais tarefas e passaram a ter menos tempo para se dedicar à saúde. 

A Fitbit, fabricante de monitores de atividades físicas, apresentou uma análise de 4 milhões de usuários entre março e junho de 2020. Os dados mostram uma queda relevante da prática de exercícios, e que pode ter inúmeros motivos, como: home office, ansiedade, isolamento social, academias fechadas, entre outros.

Estágios do sedentarismo

O sedentarismo é dividido em:

  • nível 1 – há movimento, mas nenhuma atividade realmente intensa é realizada;
  • nível 2 – atividades do cotidiano são realizadas, porém dificilmente há um tempo exclusivo para o exercício;
  • nível 3 – qualquer esforço físico é evitado ou incomoda;
  • nível 4 – passam-se os dias sentado ou deitado.

Como combater

Mexa-se. É preciso se exercitar pelo menos três vezes na semana para manter uma rotina saudável. Faça uma avaliação médica e escolha atividades que agradem para começar aos poucos e, dependendo da prática, procure profissionais de educação física para evitar lesões.

Benefícios da prática de atividades físicas

A prática de exercícios auxilia tanto a saúde física quanto a mental: alivia o estresse, previne a ansiedade e reduz os sintomas da depressão. Sobretudo em tempos de pandemia, é importante mantermos nossa imunidade alta e realizar atividades físicas pode ajudar muito.

Conseguiu se identificar com o assunto? Então compartilhe este texto.