Manter a rotina durante a quarentena faz bem para a saúde

Continuar com seus rituais diários diminui o desconforto causado pelo isolamento físico

Motivacional 4 min. de leitura
Manter a rotina durante a quarentena faz bem para a saúde

Desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou a pandemia de covid-19, no último dia 11 de março, cada vez mais pessoas começaram a ficar em casa para praticar o isolamento físico, com o objetivo de conter o avanço do novo coronavírus. 

O mais importante nesse momento, claro, é manter nossa saúde física, evitando a contaminação. Porém, uma vez que esse aspecto esteja garantido, o segundo item da lista deve ser a saúde mental. 

O isolamento físico necessário para conter a pandemia tirou todo mundo da normalidade. O que podemos fazer, nesse cenário, é buscar formas de lidar com essa nova realidade e tornar a quarentena menos incômoda, seguindo com atividades de que precisamos e gostamos — mas em casa. O primeiro passo para isso é manter a rotina.

Por que a rotina durante o isolamento físico é importante?

pessoa escrevendo em caderno organizado
(Fonte: Giphy)

De acordo com um artigo publicado pelo Jornal da Universidade de São Paulo (USP), muitas pessoas podem se sentir mais ansiosas e estressadas durante a quarentena. “Ela [a pessoa] pensa que vai trabalhar em casa e vai conseguir descansar, mas não é isso que acontece. Porque uma série de apaziguadores que nós temos no trabalho, como a pausa para o cafezinho ou a conversa com o colega, são suspensos”, afirma o psicanalista Christian Ingo Lenz Dunker. 

Por isso, continuar com a sua rotina, mesmo durante o isolamento físico é tão importante, principalmente se você trabalha em regime de home office. A rotina diminui a sensação de desconforto e nos mantém conectados com os hábitos anteriores à crise. Também é uma ótima maneira de fazer com que o relógio biológico permaneça funcionando corretamente. 

Então, siga seus rituais diários: acorde nos mesmos horários, tome seu café da manhã e almoce normalmente, cumpra sua hora de entrar e sair do trabalho e todas as outras tarefas que você desempenha cotidianamente. 

Se você não está trabalhando, procure outras atividades para manter a ocupação: arrumar a casa ou estudar, por exemplo. Há várias universidades oferecendo cursos online gratuitamente durante o período de isolamento físico. 

Momentos que quebrem a “seriedade” e ajudem a relaxar também são importantes: assistir a séries, brincar com os filhos ou ler um livro, por exemplo. 

Mantenha também sua rotina de exercícios

homem fazendo alongamento
(Fonte: Giphy)

A ideia de manter os rituais diários que você praticava antes do isolamento físico inclui também os exercícios. Se eles faziam parte do seu dia a dia, é muito importante continuar com eles em casa. Afinal, não é preciso se entregar ao sedentarismo, certo?

Além dos benefícios de manter a rotina, continuar se exercitando em casa gera muitos outros: “ajuda bastante a diminuir fatores emocionais decorrentes do ócio, como ansiedade, irritabilidade e insônia”, afirma o personal trainer Guilherme Pereira, em entrevista para a Agência Brasil.

Por isso, até mesmo quem não costumava fazer atividades físicas pode aproveitar o período de isolamento social para incorporá-las à rotina e aproveitar esses benefícios. Elas são uma ótima maneira de descarregar a energia que se acumula quando ficamos tanto tempo em casa. 

A questão é: como fazer isso em casa, especialmente no caso de quem vive em apartamentos e não tem muito espaço ou aparelhos de ginástica? Simples: você pode fazer muitos exercícios apenas com o peso do seu corpo, além de alongamentos e outras técnicas que mantêm seu organismo ativo. 

Para isso, a melhor ideia é recorrer a vídeos na internet. Aqui mesmo, no site da Selfit, você encontra várias aulas preparadas pelos nossos instrutores. Há aulas de funcional, alongamentos, lutas e muito mais. Só clicar aqui, dar play nos vídeos e começar a se mexer!

Que tal manter a rotina e os exercícios junto aos amigos mesmo longe? Compartilhe este texto e combinem de fazer atividades ao mesmo tempo. O isolamento não precisa ser solitário.

Fonte: Jornal da USP e Agência Brasil.