Como os exercícios físicos ajudam no tratamento de diabéticos?

Neste 14 de novembro, Dia Mundial do Diabetes, saiba como as pessoas que apresentam a doença podem ter uma vida ativa e saudável

Motivacional 5 min. de leitura
Como os exercícios físicos ajudam no tratamento de diabéticos?

É fato que exercícios físicos são ótimos para a saúde física e mental, pois auxiliam a manter o corpo em bom estado e evitar uma série de doenças, a exemplo da diabetes. Mas as pessoas que já apresentam esse quadro podem se exercitar e ter uma vida com qualidade e mais saúde? Quais são os cuidados para que a atividade física entre na agenda dos diabéticos? Para conhecer mais sobre essa possibilidade, a Selfit conversou com a nutricionista Yasmin Ahmad (CRN3 – 56269/P), da empresa N2B.

Saiba como os exercícios podem auxiliar na qualidade de vida de diabéticos, que no Brasil somam 9 milhões de pessoas, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério da Saúde.

Diabéticos podem fazer exercícios físicos?

Com glicemia sob controle, diabéticos podem e devem fazer exercícios físicos regularmente. (Fonte: Shutterstock)
Com glicemia sob controle, diabéticos podem e devem fazer exercícios físicos regularmente. (Fonte: Shutterstock)

Como atividades físicas queimam calorias e pessoas com diabetes devem ter uma atenção especial ao controle glicêmico, é comum haver dúvida sobre a possibilidade de esses pacientes fazerem exercícios físicos. Segundo Ahmad, isso é possível e até mesmo recomendado, uma vez que as atividades auxiliam no controle da glicemia e podem, em determinadas proporções, cumprir o mesmo papel da insulina.

O metabolismo diabético produz uma insulina “ruim” ou insuficiente, o que impede que esse hormônio coloque a glicose vinda da alimentação dentro das células, então o açúcar fica “solto” no sangue, exigindo insulina de fonte externa. Assim, a pessoa que tem diabetes e pratica exercício físico regularmente reduz a quantidade de medicação e às vezes consegue até interrompê-la.

A nutricionista lembra que, com acompanhamento profissional, diabéticos podem optar por uma alimentação proteica: “Pacientes com diabetes conseguem atingir seus objetivos sem grandes dificuldades, caso tenham a glicemia dentro dos valores ideais. É mais difícil quando a glicemia fica muito alta com frequência, pois leva a catabolizar mais rápido, mas caso seja o contrário é tranquilo”.

Quais são os cuidados necessários na alimentação?

Segundo a profissional, alguns cuidados nutricionais simples podem garantir que os exercícios físicos entrem na rotina das pessoas com diabetes.

  • Nem todos os alimentos diet realmente são indicados para pessoas com diabetes; eles não têm açúcar adicionado em seu preparo, mas podem conter o açúcar do próprio alimento e causar alteração no índice glicêmico.
  • Alguns adoçantes culinários não são adequados, a exemplo do maltitol, que cumpre um papel semelhante ao do açúcar comum no organismo.
  • É importante prestar atenção na quantidade de gordura na alimentação. Em cerca de 5 horas, que é o tempo para o organismo processar os lipídios, pode-se ter um aumento significativo da glicemia.
  • Equilíbrio nos carboidratos: não se deve exclui-los totalmente, mas é necessário observar a quantidade e a qualidade. Uma dica é evitar farinhas refinadas e doces e dar sempre preferência para alimentos integrais.
  • Não é indicado ficar longos períodos em jejum. O organismo é capaz de produzir glicose, e ficar muitas horas sem comer leva ao aumento glicêmico. 

Ahmad lembra que esse processo deve começar com uma visita profissional. Isso porque, além de cada pessoa apresentar um quadro específico, nutricionistas são capazes de avaliar o tipo de diabetes do paciente.

Pessoas com diabetes tipo 1 fazem uso de insulina todos os dias. Quando praticam atividade física regularmente, mesmo diminuindo o uso da substância, podem ter episódios de hipoglicemia, razão pela qual se costuma incluir mais carboidratos no cardápio. Já diabéticos tipo 2 têm menos risco de hipoglicemia, por isso a quantidade de carboidrato indicada tende a ser menor.

Como controlar a glicemia durante os exercícios?

Beber suco de laranja durante o treino é uma forma de evitar hipoglicemia. (Fonte: Shutterstock)
Beber suco de laranja durante o treino é uma forma de evitar hipoglicemia. (Fonte: Shutterstock)

A nutricionista lembra que é fundamental que o índice glicêmico esteja estabilizado para que se iniciem exercícios com segurança, sob risco de as atividades estressarem o corpo. No caso de tudo estar certo, as orientações de dieta pré e pós-treino são basicamente as mesmas para qualquer pessoa tanto na alimentação quanto na hidratação.

Segundo Ahmad, uma dica interessante é medir a glicemia antes das atividades. “Se a glicemia estiver menor que 70, é importante consumir algum suco de fruta natural e esperar cerca de 15 minutos. Chegou a 140? Ótimo! Pode fazer exercício e seguir a alimentação normal”, orienta. Além disso, se o treino for mais intenso, ela acrescenta que vale a pena levar um suco integral de uva ou natural de laranja e consumir durante o treino. 

“Eu sempre recomendo para aqueles pacientes que vão todos os dias e fazem tanto musculação quanto cardio que levem uma garrafinha de suco de uva integral ou de laranja natural, pois são rapidamente absorvidos e evitam hipoglicemias severas, salvo se glicemia já estiver entre 120 e 130”, relata.

Com o quadro estável e seguindo as orientações, pacientes diabéticos conseguem ter uma vida comum. Até mesmo os acompanhamentos nutricionais podem ter a mesma frequência que as de pessoas sem a doença.Conhece alguém que tem diabetes e medo de treinar? Compartilhe este conteúdo. Lembrando que no aplicativo Self Sem Culpa (disponível para Android e iOS) é possível ter contato online com nutricionistas.