Como o mindfulness ajuda a manter o equilíbrio na quarentena?

Técnica volta atenção para o presente, reduzindo as chances de estresse e ansiedade

Motivacional 4 min. de leitura
Como o mindfulness ajuda a manter o equilíbrio na quarentena?

Em meio a tanta incerteza quanto ao futuro ou mesmo medo com relação à rápida expansão da covid-19, não é incomum que as pessoas fiquem desesperadas, sobretudo dentro de casa, onde a rotina é bem limitada. Nesse sentido, propostas para conter a ansiedade são muito bem-vindas, e o chamado mindfulness, um método contemporâneo e eficaz de meditação, é bastante indicado.

Não é por acaso que a técnica é tão querida por gente de sucesso, como a modelo Gisele Bundchen, a apresentadora Oprah Winfrey e o cofundador do Twitter, Jack Dorsey. Afinal, para ter êxito na carreira e nos negócios, é necessário se concentrar no que realmente importa, com pleno domínio da mente. E é isso que propõe o mindfulness, que quer dizer atenção plena, em tradução livre.

Como surgiu?

homens meditando ao ar livre
(Fonte: Giphy)

A origem do mindfulness é atribuída ao biólogo estadunidense Jon Kabat-Zinn, que hoje tem 72 anos. Foi no início dos anos de 1970, que ele, ainda um jovem estudante do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, encantou-se com a filosofia oriental ao assistir a uma palestra de um mestre zen.

Kabat-Zinn resolveu analisar a meditação comum no Oriente de maneira científica. Então, em 1979, ao lado de alguns amigos, começou a aplicá-la em pacientes de doenças crônicas, que, em pouco tempo, sentiram os primeiros resultados positivos. O pesquisador ficou empolgado com a eficácia do impacto da mente sobre o corpo.

Seguindo seus estudos, criou um programa de tratamento que se incorporou à Faculdade de Medicina da Universidade de Massachusetts com o nome Redução do Estresse Baseada em Mindfulness (MBSR). A ideia se espalhou pelo mundo e hoje é utilizada até no combate a doenças extremamente graves, como bulimia e esquizofrenia.

Ferramenta eficaz

mulher meditando na calçada
(Fonte: Giphy)

O mindfulness também é usado em empresas para aumentar a produtividade das equipes. Isso porque quando se mantém as pessoas respirando fundo e concentradas no presente, tudo flui melhor e a ansiedade passa longe. É exatamente por isso que a técnica é uma boa saída para quem quer aliviar o estresse comum nesse período de quarentena.

Se ninguém sabe como será o futuro e o fundamental é se ater ao presente, por que perder tanto tempo sofrendo com o que não se pode controlar? Focar o que se tem diante dos olhos é fundamental para não se desesperar. E acredite: o desespero pode acarretar reações químicas capazes de sobrecarregar o corpo ao extremo.

E não é difícil se perder em preocupações, viu? Uma pesquisa da Universidade de Harvard, por exemplo, mostra que, enquanto estão acordadas, as pessoas passam por volta de 46,9% do tempo perdidas em pensamentos aleatórios. Meditar nos traz para o agora e faz ver coisas bonitas que perdemos enquanto vivemos a ansiedade com o que foge do controle.

Respire fundo

mulher meditando no quintal
(Fonte: Giphy)

O caminho indicado pelo mindfulness é se acalmar. Prepare um tempinho na agenda, de 5 minutos a 40 minutos, respire com leveza, sinta cada parte do seu corpo, o contato da roupa com a pele, a presença das outras pessoas, escute o barulho do entorno e traga a sua atenção para este momento da sua existência. Assim, o foco todo é concentrado no agora.

Uma vez que se aprende a usar essa ferramenta, a atenção máxima pode ser empregada do trabalho aos exercícios físicos. O ideal é fazer isso com a ajuda de um guia ou algum tipo de auxílio; na internet, há uma série de aplicativos com versões gratuitas para quem quer se lançar à técnica.

Bora meditar? Compartilhe este texto com quem precisa se concentrar mais no agora.