Setembro Amarelo: como os exercícios físicos podem ajudar a combater a depressão?

Cerca de 20 minutos de exercício por dia ajudam a regular hormônios e neurotransmissores que impulsionam o bem-estar

Motivacional 4 min. de leitura
Setembro Amarelo: como os exercícios físicos podem ajudar a combater a depressão?

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 300 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de depressão. Só no Brasil, 12 milhões de indivíduos apresentam essa condição.

Setembro foi o mês escolhido para a campanha de prevenção do suicídio, geralmente resultado do agravamento do quadro depressivo. A campanha, chamada de Setembro Amarelo, é uma oportunidade de alertar toda a sociedade sobre a importância de priorizar a saúde mental e diminuir as estatísticas alarmantes relacionadas.

O poder dos exercícios

homem fazendo exercício
Exercícios físicos estimulam a produção de hormônios e outras substâncias responsáveis por prazer e bem-estar. (Fonte: Giphy)

A prática de exercícios físicos é uma grande aliada no combate aos sintomas da depressão. Segundo a psicóloga Mariane Magalhães (CRP 02/21847), que atua na plataforma Moodar, a atividade estimula a produção de hormônios e neurotransmissores responsáveis por bem-estar e felicidade, entre eles serotonina, dopamina, endorfina, glutamato, GABA e noradrenalina.

“Alguns teóricos defendem que seus efeitos se aproximam dos causados por alguns antidepressivos usados por quem tem a doença nos graus leve e moderado. Além disso, as atividades físicas podem incentivar a pessoa a ser mais socialmente ativa, ter um compromisso que a faça querer sair de casa, frequentar ambientes diferentes e motivadores, encontrar um hobby e equilibrar as energias antes muito focadas em comportamentos e pensamentos adoecedores”, explica a especialista.

Essa síntese de substâncias também pode ajudar a diminuir o estresse. Um estudo realizado pelo jornal Translational Psychiatry comprovou que o exercício físico, com a prática da meditação, pode causar aumento de células no hipocampo responsáveis pela memória e pelo humor, auxiliando no tratamento da doença. Além disso, a prática de exercício físico melhora a autoestima, a autoconfiança e estimula o autocuidado. “É importante ressaltar que essas atividades não ajudam apenas no tratamento da depressão mas também na prevenção”, completa a psicóloga.

Atividades mais indicadas

pessoa fazendo yoga
Yoga é umas das práticas recomendadas para tratar e prevenir a depressão. (Fonte: Giphy)

Segundo Magalhães, os exercícios que ajudam a aumentar a frequência cardíaca, regular a respiração e melhorar a circulação sanguínea, como aeróbicos, cardiovasculares e yoga, podem ser muito benéficos para ajudar nos sintomas da depressão, mas ela lembra que, embora existam algumas práticas mais indicadas, o melhor é aquele do qual você gosta e que se sente confortável e motivado a fazer.

O ideal é que a atividade seja realizada todos os dias, caso a pessoa queira e se sinta bem para isso. “Para que a produção de substâncias benéficas faça mais efeito sobre a depressão, é preciso ter certa frequência. Cerca de 20 minutos diários, por exemplo, já fazem toda a diferença”, explica a psicóloga.

A intensidade dos exercícios também depende das condições físicas de cada um, pois o momento precisa gerar prazer e motivação. É interessante começar de forma leve e, com a frequência da prática, aumentar a força — sempre com orientação profissional.

Hábitos saudáveis

cortando vegetais
Uma alimentação saudável pode amenizar alguns sintomas da depressão. (Fonte: Giphy)

Além da prática regular de exercícios físicos, alguns hábitos podem ajudar a tratar e a prevenir doenças como depressão e ansiedade. Em primeiro lugar, priorize uma alimentação saudável. Segundo Magalhães, certos alimentos podem trazer mais energia e diminuir a sensação de cansaço presente na depressão.

A profissional também indica meditação e terapia para combater os sintomas depressivos. “O tratamento terapêutico com profissionais qualificados na área da saúde mental proporciona autoconhecimento e trabalha com os pensamentos que reforçam o ciclo depressivo”, explica.

Se você conhece alguém que está lidando com os sintomas da depressão, compartilhe essas dicas e afeto.