Dieta sem glúten: impactos na prática de exercícios físicos

Celíacos ou qualquer pessoa que retire o glúten de sua dieta devem ficar atentos à ausência de alguns nutrientes

Comer bem! Viver bem! 5 min. de leitura
Dieta sem glúten: impactos na prática de exercícios físicos

Veja esclarecimentos de uma nutricionista sobre as dietas sem glúten e os possíveis impactos da retirada desse composto proteico em nossas atividades diárias.

Conversamos com a nutricionista Joyce Josilene de Rezende, formada pelo Centro Universitário São Camilo – CUSC (CRN3- 61666/P), sobre os impactos de uma dieta sem glúten para os praticantes de exercícios físicos. Confira.

Qual é o papel do glúten na alimentação?

O glúten é formado através da associação de duas proteínas (a gliadina e a glutenina) encontradas naturalmente na semente de alguns cereais, como trigo, cevada e centeio.

Nos alimentos, o glúten desempenha um papel importante, conferindo maciez, elasticidade e crescimento dos alimentos e/ou preparações. Dessa forma, notamos sua importância especialmente para a indústria alimentícia no preparo de massas e produtos de panificação.

alimentos variádos
(Fonte: Shutterstock)

Em que circunstâncias uma dieta sem glúten é necessária?

De acordo com o parecer técnico sobre “Restrição ao Consumo de Glúten”, do Conselho Regional de Nutricionistas, a exclusão do glúten da alimentação apenas é necessária para aquelas pessoas com diagnóstico clínico confirmado de doença celíaca, dermatite herpetiforme ou com sensibilidade ou intolerância a esse nutriente.

No caso da retirada do glúten, quais nutrientes devem ser “reforçados”?

Normalmente os alimentos com glúten são enriquecidos com ferro, ácido fólico ou vitaminas do complexo B (a B12, por exemplo). Com a retirada desses alimentos do nosso dia a dia, esses nutrientes acabam merecendo uma atenção maior.

Vale destacar que nos casos de suplementação deve haver orientação por um nutricionista que, junto aos exames clínicos e outros fatores importantes, poderá descrever quais são necessários no caso, incluindo as dosagens adequadas.

alimentos com glúten
(Fonte: Shutterstock)

Uma dieta sem glúten para as pessoas que não têm indicação médica para evitá-lo é útil no desempenho físico?

O glúten não deve ser retirado da dieta sem orientação médica, apenas em casos específicos em que há essa indicação. Mesmo em pessoas que apresentem necessidade da exclusão, não foram notados benefícios quanto ao desempenho físico.

É importante frisar que a retirada do glúten não apresentaria benefícios em pessoas saudáveis.

Para os praticantes de exercícios físicos que adotam uma dieta do tipo glúten-free, como deve ser a alimentação em situações de pré e pós-treino?

Nas escolhas para pré-treinos com cerca de 30 minutos antes da prática do exercício, as pessoas devem preferir o consumo de alimentos que normalmente já não tenham o glúten (e liberem energia mais rapidamente) como frutas in natura na forma de sucos ou até mesmo as vitaminas. Outra opção são as adaptações da indústria de alguns alimentos sem glúten.

Ainda podemos pensar em pré-treinos com intervalos maiores de tempo, como 1 hora antes. Nesses casos, a inclusão de alimentos ricos em fibras são as melhores escolhas; alguns até adotam a realização do almoço como pré-treino ou alguns lanches.

O interessante é incluir carboidratos ricos em fibras, como arroz integral, além de vegetais crus ou cozidos e uma fonte proteica, como frango, carne vermelha, ovos ou leguminosas como soja, lentilha etc.

partindo sanduíche ao meio
(Fonte: Giphy)

Já no pós-treino é importante incluir fontes de proteínas e carboidratos; por exemplo, tapioca com ovos mexidos ou frango desfiado ou outro de sua preferência. A tapioca se torna uma opção interessante por ser naturalmente glúten-free, além de suas variações como crepioca.

Pessoas que adotam uma dieta sem glúten devem tomar algum tipo de precaução em relação à prática de exercícios físicos? 

A princípio não há necessidade de precauções nessa situação, pois não existe uma relação direta entre as duas. A não ser em casos específicos, em que a pessoa tenha a doença celíaca ou alguma das outras condições citadas para a adoção dessa dieta e, no dia do exercício físico, tenha ingerido algum alimento com glúten e apresente algum sintoma que possa interferir na prática daquele exercício físico, como dores abdominais fortes e diarreia.

Acredito que, nessa situação, a prática extenuante pode não ser tão interessante. De qualquer forma, é importante que a prática de exercícios físicos seja guiada por um profissional da área habilitado; é o educador físico que dará todo o suporte de que a pessoa necessita quanto ao tipo e à frequência, por exemplo.

Conhece alguém intolerante a glúten? Compartilhe este texto!

Gostou do assunto? Que tal compartilhar com seus amigos?